segunda-feira, 27 de setembro de 2010

DALIDA: UMA VIDA DE DOR E SOFRIMENTO


video

DESLIGUE O SOM DO SITE ANTES DE ABRIR O VÍDEO


A grande cantora, bela e sensual Dalida nasceu em 1933 e morreu em 1987, com 54 anos da idade, após uma vida onde tinha tudo para ser feliz mas conheceu apenas dor e sofrimento. Seu nome era Yolanda Cristina Gigliotti , filha de pais italianos e nasceu no dia 17 de janeiro, em Shoubra, um distrito da cidade do Cairo, no Egito. Tornou-se numa bela mulher e em 1954 ganhou o concurso de Miss Egito. A seguir mudou-se para Paris para fazer carreira como atriz de cinema.


Apesar de sua beleza, seus primeiros filmes não obtiveram sucesso e ela passou a cantar em salões de música, teatros e cabarets, apresentando músicas em francês, italiano e outras línguas. Escolheu o nome artístico Dalida e passou a gravar discos, sendo que seu segundo álbum, chamado "Bambino" lhe trouxe fama instantaneamente. Em 1957, apareceu no Olympia de Paris apresentando-se na abertura de um show de Charles Aznavour. Mais tarde no mesmo ano apresentou-se num show de abertura de Gilbert Bécaud, outro grande ídolo da época.


Mas apesar de sua fama e fortuna, sua vida pessoal foi difícil e cheia de dramas e tragédias. Em 1961 ela se casou com seu mentor Lucien Morisse, mas o casamento durou apenas alguns meses quando ela o abandonou após se apaixonar pelo pintor Jean Sobieski ( pai da atriz americana Leelee Sobieski , a lolita moderna de Stanley Kubrick). Alguns anos após a separação, o ex-marido, ainda deprimido e inconsolado pela separação se suicidou com um tiro. Após alguns anos abandonou Sobieski e em 1967, seu novo amante, o cantor italiano, Luigi Tenco, comete também o suicídio. Dalida em desespero também tenta o suicídio sem sucesso.


A seguir passou a viver com um playboy de reputação duvidosa , Richard Chanfray ( conhecido como Conde de St. Germain), quando este também comete suicídio em julho de 1983. Ela recuperou-se parcialmente destas perdas e continuou a cantar mas para ela, a vida tinha pouco sentido ao ponto de buscar outras formas de realização pessoal, que incluiu uma viagem ao Nepal para estudar a religião Hindu. Mas em maio de 1983, desesperada e deprimida, ela cometeu o suicídio com uma over-dose de comprimidos para dormir (barbitúricos), deixando escrito um bilhete: "A vida se tornou insuportável para mim...perdoem-me ". Dalida esta enterrada no Cemitério de Montmarte em Paris, onde foi erigida uma bela estátua em seu túmulo. Em 1997 em Paris foi inaugurada a Praça Dalida, nas esquinas das ruas Girardon e Abreuvoir.

Nenhum comentário:

musica