terça-feira, 15 de janeiro de 2008

TANAJURA EM ALTO ESTILO

Tanajura ao natural, alada e sem asas (cachorrinho)


Esta semana tive o prazer de saborear um dos pratos mais diferentes e discutíveis da cozinha nordestina: Tanajura (ou içá, como é chamada no sul do país) natural, na manteiga. Pude lembrar de minha infância na Serra da Ibiapaba, na cidade de Tianguá, Ceará, onde, nessa época, aguardávamos com ansiedade a chegada das primeiras chuvas do inverno para saborearmos o delicioso petisco. À primeira vista parece estranho falar em comer esse pequeno ser de aparência... digamos, esquisita, mas no interior do Ceará, isso é, praticamente, uma tradição.

A tanajura é uma formiga alada, do sexo feminino, da família das saúvas. É uma fêmea virgem que após acasalar, funda um novo formigueiro. Ao sair do seu formigueiro de origem, a primeira coisa que cada uma faz é voar a cinco , dez metros de altura e ali copular, sendo que, para cada fêmea fecundada, um novo formigueiro vai aparecer. É exatamente nessa hora em que os apreciadores da iguaria interceptam esse ritual, capturando a fêmea ainda virgem, tão logo ela abandona o formigueiro-mãe.

Vou lhes deixar uma receita para o seu preparo e algumas fotos deste apreciador da iguaria saboreando o apetitoso prato. Espero que um dia, tenham CORAGEM de experimentar. É, simplesmente, uma delícia.

RECEITA

INGREDIENTES

100g de bundinha de tanajura, meio tomate cortado em cubos, meia cebola fatiada, uma clara de ovo, quatro colheres de farinha de mandioca, manteiga de leite, pimenta e sal.

MODO DE FAZER

Unte as bundinhas de tanajura na clara de ovo e, em uma frigideira, frite-as na manteiga. Coloque o tomate e a cebola temperados com a pimenta e o sal e misture, refogando. Acrescente a farinha (previamente untada com o restante da clara) e pronto. Sirva quente. A porção é para duas pessoas e deve ser acompanhada de uma cerveja bem gelada.



Eu, segurando um refratário, com os insetos ainda vivos

Os insetos caminham sobrem minhas mãos

Olha eles aí, ao natural

Em close

O prato pronto, com ares de sofisticação

Eu, degustando a iguaria

Uma visão mais aproximada do prato
















9 comentários:

Caroline disse...

O petisco é simplismente uma delícia! provei, aprovei e recomendo a todos!

AMIGA PRA SEMPRE disse...

AHHH!!!!!!!! TANAJURA QUE GOSTUSURA DE SE COMER ,........QUEM NUNCA COMEU , QUEM COME NUNCA EQUECE, QUEREM SEMPRE REPETIR A DOSE , POIS AINDA ME LEMBRO QUANDO CRIANÇA , PROCURAVA QUANTO DE BURACO PRA IR PEGÁ-LA DE DEPOIS CANTAVA ESSA RIMA ENGRAÇADA!KKKKKKKK VEJA COMO ERA :
CAI ! CAI ! TANAJURA QUE TEU PAI TA NA GORDURA!!!!!!!!ERA UMA DIVERSAO E TANTO ...SAI DE CASA PRA PEGAR AS DANADAS QUE TINHA UM FERRAO BEM GROSSO PRA MORDER TODA GENTE QUE ALI PARAVA PARA PEGÁ-LA , QUANDO CHEGAVA EM CASA TODA ENSANGUENTADA DEVIDO A GRANDE MORDIDA FEITAS POR ELAS , SO SEI DIZER Q SINTO GRANDE SAUDADE DAQUELE TEMPO !
VALEUUUU LUCIANO PELA A LEMBRANÇA TA ! BEIJINHOS GORETE MARQUES

Ana Gláucia disse...

Luciano, adorei a receita, mas!! Não sei se teria coragem de comer...kkkkkkk , Quem sabe numa fuzaca provaria?kkkkkkk.Parabéns!!!!!

Jessica disse...

oi Lulu,legal seu blog ok,bjos xau,

Áurea Sá disse...

Tanto é gostoso comer como pegar as tanajuras quando está saindo do formigueiro, eu simplesmente amei a matéria.
Não vejo a hora de ir para Tianguá para comer deste prato tão delicioso, se elas ainda não tiverem saido do formigueiro não tem problema eu encontro no Bar do Amauri, ele tem sempre elas congeladas.
Obrigado pela matéria Luciano. Um abraço.

veruska disse...

Eu já provei é muito bom.e vc gosto?

Paulo Gurgel disse...

Entomofagia -
Esta palavra significa: alimentar-se de insetos.
Há evidências de que o homem primitivo, antes de dominar as técnicas agrícolas, recorria a esse expediente para complementar a sua alimentação. Como ainda hoje faz o seu "primo" chimpanzé.
(...)
No Vida e Arte onde obtive a imagem acima, do blogueiro Luciano Rocha, há uma seqüência de fotografias das tanajuras (hormigas culonas, na Colômbia) além de uma receita à base delas.
Postagem de hoje no Blog do PG - Paulo Gurgel.

vanessa disse...

caro conterraneo Luciano,
è bastante interessante a materia sobre nossa iguaria, coloca, de fato, nossa cultura no seu devido patamar. A identidade de um povo é feito de sentido, prazer e sabor e a nossa tanajura conresponde a tudo isso e muito mais com medicinal aqui no BARDEGA DIDI.
abraços carinhososo. Amauri Didi.

kassia disse...

uma delicia isso...

musica